28 de novembro de 2010

Ecos


SOLTA-NOS AS AMARRAS



Noite companheira dos ecos do passado
Lembranças atadas de Estória inacabada
Neste presente flutuam ecos de palavras
Da lembrança que não as deixo prender
Soltar amarras, liberdade memória de ti
Numa noite fria que me alenta o querer
Da Estória vivida em sequências únicas
Trazem no ventre a vontade de te gerar
Em nós o futuro sem pressa de terminar
São ecos que me arrastam de novo aqui

Sonhos sonhados que por ti sempre vivi
Quero depressa o amanhecer e te sentir
Dizer que esta noite estive dentro de ti
Partida aos ventos do frio que me gelam
Em torno das melodias que não entendo
Arrasto o vento sem a pressa de chegar
Solto as amarras nesta Estória para voar
Repousar em nossos corações magoados
Os ecos foram pelo tempo desperdiçados
Do nosso imenso querer comungar a vida

Estou presa à dor deste escuro presente
Sem saber para onde olhar, são os ecos
Ecos do passado que me trazem angústia
De não saber se solto as amarras de vez 
Se espero ouvir a tua verdade nua e pura
Renascer o acreditar roubado pelos ecos
São os ecos do passado, deste presente
Que definham sem dó todo corpo inerte
Jaz vivo com amarras do ainda querer-te
Dentro de mim no presente escuro e frio

Toca-me nas duas mãos que estão frias,
Devolve sorriso numa esperança de calor
Fala-me alto no silêncio do teu acreditar
Tira as amarras, destrói todos os muros
Com coragem, viver ao ouvir novos ecos
Solta-me as amarras para ter nova vida
Conseguir caminhos livres para aquecer
Dar-me um novo alimento ao meu corpo
Cedo demais para definhar para sempre
Solta os ecos, todas as nossas amarras

Sonya Monteiro Santos

22 de novembro de 2010

Recomeçar

Começo outra semana, como antigamente, o meu acordar contigo na tua voz suave, doce que enternece o despertar. O abraço que chega e conforta. O sentir não é meramente físico, toda a alma que me carrega o corpo sente cada momento único partilhado em nós. Eu em ti, tu em mim, despertar o nosso sentimento guardado. Pertence-nos o todo deste sentir único, que permanece mesmo que julgado interrompido às aparências. Não importa nada o que pensam ou julgam, apenas a nós, amantes de viver ávidos todo o amor tatuado inalterado como antes.

Sonya Monteiro Santos



When everythings all by the way, when I grow older, I'll be there at your side, to remind you how I still love you, Forever.

17 de novembro de 2010

Voa como um Anjo

- É esta a voz interior.


Um dia sereno, tranquilo, o silêncio sem voz exterior. A outra voz que me invade o corpo permanece nas melhores recordações vividas onde deleito tranquilidade.

Mágico o sorriso, olhar e toque tranportam a essência de esperança ao continuar caminho. O desfiladeiro começa a mover as montanhas que escondem as estrelas, o sol e a lua. Tem a sombra de ti.

Começo agora a ver-te ao longe, uma distância abismal que nos separa, não sei se caminhas para mim, ou se te estás a afastar de mim e de ti. Procurei-te com o meu corpo e voz, caída com o olhar que apenas tu conheçes. Não sei nada, não sei se quero saber mais de ti quando a consciência me grita que não te importas mais, no entanto o coração bate na consciência e grita o contrário.

Não sei, a todas as perguntas respondo o mesmo, não sei! Posso tentar voar para ver mais perto o teu caminho, a tua direcção. Ao voar e ver-te no caminho sei que as minhas asas podem não aguentar, cair numa queda sem volta, mergulhada no mais infinito universo das estrelas que um dia nos iluminaram. Vou mais além!? Não sei... hoje não sei... talvez amanhã...

Sei outras coisas da vida, outros olhares, pessoas ávidas que esperam a queda como abutres. Posso não saber muitas coisas, há outras que as sei de cor, jamais me levam em voo livre para refeição de gula.

Sou o que sou, em mim sou eu, vou onde quero e desejo ir. Posso sofrer ao desistir em cada dia quando dou cada passo, no presente pensei ouvir uma palavra de atenção, cuidado e saber. Não ouvi, nada que me surpreendesse, terei em mim sempre a esperança e o acreditar, sou e serei sempre assim, não quero mudar!

Quando as minhas mãos tocam o teu rosto, o meu olhar mergulha em ti, vejo-te nu, despido de tudo, o teu olhar não engana o amor que me sentes. Envergonha-me o teu novo caminho, não por mim, por ti.

Um amor próprio que alimentavas dia após dia, agora não o encontro mais, será que não sentes vergonha!... ou simplesmente é porque não sabes quem voa contigo no presente.

Será que voa mesmo, ou é parasita que alimenta o teu ser para não definhar a fome. Se não sabes, então não queiras saber, é triste e humilhante demais para todos os que sabem e gostam verdadeiramente de ti.

Vou esquecer, olhar em redor cada asa que me conforte e saiba ver mais além que os olhares de gula. Raramente encontro valores que me identificam a Alma. Há momentos únicos, partilhas e confidências, gritos de dor audiveis e disponíveis nos sítios onde pensei não existir. Tenho sorte, a vida oferece-me essa sorte ao comungar seres únicos e verdadeiros.

Continuo no voo como um anjo à espera do amanhã que vou encontrar, sei que o sorriso vai nascer novamente na verdade, dirigido a quem algum dia saiba olhar para além do que os olhos alcançam e mereça tudo o que sei e posso dar, é muito, imenso, sem medida de nada, é incondicional. Como tu próprio sabes. Ninguém em lugar algum te vai oferecer as mesmas asas. Nelas repousavam confiança, amor, respeito e partilha.

Agora eu, sem pressa, voo para perto do sol que me conforta os dias, repouso nas estrelas que me iluminam sempre que penso entrar no abismo. Amanhã será alegria e realização o que irei sentir. Posso não saber muitas coisas, no entanto há outras que as sei na plenitude. Toda a vida que vivi deu-me estas asas para continuar a voar livre, numa liberdade partilhada com quem me cuida, ama e protege.

- Voa como um anjo. - É esta a voz interior.

Sonya Monteiro Santos


11 de novembro de 2010

No TOPO...


Hoje 'descobri' que estou no topo! Não porque me vejo lá... mas porque me o disseram :) e quem disse... hummm (by the way, só espero que o estar no topo não seja porque me senti a inchar como um balão com enorme elogio vindo de quem veio)

Aqueles que me julgam das aparências que nada sabem ou conhecem, que por alguma atitude retiram conclusões que não são verdadeiras, deixo a minha opinião, era sensato olhar para o que são, não fazer da sua vida a ávida cuscuvelhice daqueles que não conhecem, que vivam a sua própria vida, acrescentar objectivos e lutar para os realizar.

Tenho os meus, cedo ou tarde, sei que os vou conquistar, pelo que Sou e não por jogos de xadrez. Aqueles que substimam a minha inteligência e tudo aquilo que Sou, digo, é mera ocupação para mim, há dias que a diversão é tanta, quanto mais loira pareço, mais a gargalhada me contagia.

Nunca a vergonha de todas as lágrimas, angústias e hipotéticas perdas, pela certeza que a minha vida não vai ser o recolher de futilidades. Cresco mais dia após dia, dou alimento ao que melhor me reconhece, a alma.

Sou mais do que pareço e menos do que me julgam! :)

Sonya Monteiro Santos



A angústia é a possibilidade da liberdade... é o medo dessa possibilidade... a angústia é o puro sentimento do possível. Se houver coragem de ir mais além, se constatará que a então realidade será muito mais leve do que era a possibilidade. E o grande salto será o mais difícil, será cair nas mãos de Deus, será a coragem. Kierkegaard


Kierkegaard um dos filósofos preferidos, fez crescer, elucidar o mundo para além do que os olhos vêm. Ter CORAGEM é o que nos torna forte, por isso não ter medo da mudança, objectivar um futuro livre das possibilidades, mas sim, dentro de realidades!

8 de novembro de 2010

Caminho...


O caminho mais difícil é aquele que, percorrido de cabeça erguida com a enorme força e coragem, enfrenta realidades duras e crués.

Chega sem aviso, não obstante, o continuar a ter sempre orgulho no que Sou e faço ao percorrer este meu caminho sem desistir.

Há dias que sou Sol, outros nascente em olhar invadido de sal. Tudo o que fez parte do caminho, permanece, ficou para trás, pedras caídas, mas também penas de voos vividos enquando, mesmo traídas, sonhei os sonhos.

Serei eternamente um sonho que jamais nega a Vida, vou continuar a voar livre, somente nessa liberdade é possível voar junto na partilha de voos para chegar juntos ao mesmo destino dos sonhos.

Nesses voos levo todos os que me cuidam, amam e protegem. Nada importa o adjectivo associado, importa sim que são parte inteira do mesmo voo, para mim e sempre Eu, para todos eles.

«Matar o sonho é matarmo-nos. É mutilar a nossa alma. O sonho é o que temos de realmente nosso, de impenetravelmente e inexpugnavelmente nosso.»


«Eu amo tudo o que foi,
Tudo o que já não é,
A dor que já não me dói,
A antiga e errônea fé,
O ontem que a dor deixou,
O que deixou alegria,
Só porque foi, e voou,
E hoje é já outro dia.»

Fernando Pessoa

6 de novembro de 2010

Há vidas assim

Vividas dentro da mentira! Vidas nunca tranquilas e serenas. Opções de vida! Ao contrário da mentira, a VERDADE será sempre apenas uma só. Cada dia tenho mais orgulho em MIM. Quem julga viver ou se alimenta de uma mentira é hipotecar o futuro e um dia morrer de 'fome' live and let live

Sonya Monteiro Santos





Não há dor pior que saber sobreviver a uma mentira... quando a verdade chega dói, magoa, abre ferida... ao cair as asas continuam ali, repousam agora, para mais tarde voar e caminhar livre. Eu acredito.




4 de novembro de 2010

E se...


E se um 'desconhecido' te dissesse com os olhos invadidos de sal... que nunca mais vai viver e sentir o que viveu contigo, que nunca mais a entrega em qualquer futuro será a mesma, porque há pessoas únicas. Acrescenta, que o que 'os desconhecidos' falam do presente, não existe!... é mera ocupação!

Que diriam a esse 'desconhecido'!?...



... talvez ...

ACREDITE EM TI porque quem AMA não ESQUECE!

Sonya Monteiro Santos