23 de outubro de 2010

Voltarei a VOAR ...

Quando damos tudo como perdido,
... Eis que surge TUDO novamente.





Quando veio mostrou-me o afecto
E pedi-lhe que me levasse o medo
Despida d'alma fiquei transparente
Devagarinho entreguei-me a medo

Frágil como cristal para te lapidar
Momento único, tatuado na pele
Sentir o mundo dentro de mim ...
Em cada afago, o olhar e abraço.

Abandonei o meu corpo em ti
Levaste a Alma pelo tempo...
Fechaste a caixa de pandôra.
Fiquei presa, sem poder voar!

Sou pássaro livre, quero voar longe!
Partilhei meus dias, ofereci as asas!
Juntos em voo de sonhos a realizar!
Mas fiquei presa, sem sonhos e voo

Afaguei-te nos meus braços e olhar
Cuidei-te enfermo com o meu amor
No ninho que era sempre meu e teu
Tentei voar mais alto, ver-te melhor

Estava prisioneira do medo de ires
Por fim arrancas as minhas asas...
No momento não posso voar alto !
Ver e conquistar um mundo novo !

Morro a dor a saudade que invade
O meu ser sereno respira-te ainda!
Não fosse o cortar das asas, hoje
ainda podiamos voar e conquistar.

Já vejo novamente algumas penas
Que emergem das asas cortadas
Ainda é cedo e voar livremente...
Enquanto nascem estou no ninho

Vivo cada dia a tentar acordar-me
No ninho a minha família cuida-me
Pedem para sorrir novamente, voar.
Ainda não consigo, a Alma ferida!

Um dia vou chegar sem o medo ...
De voar novamente, a sorrir e livre
Por agora permaneço e adormeço
Encolhida no ninho com algodão...

Serei livre, com as maiores asas
Voarei até ao limite deste mundo!
E sem medo vou conquistar-te ...
A confiança, honestidade e AMOR.

Sonya Monteiro Santos

Sem comentários:

Enviar um comentário