27 de outubro de 2009

Mar Azul

Toquei um olhar da cor azul do mar,
Profundo, sem resíduos de poluição.
Mergulhei nua no mar transparente,
Em coragem não o fizera de pés...

Mergulhei de cabeça, nele nadei...
... e nadei! Bebi água desse azul.
Fonte viva! Esperança agarrada...
Senti leveza do corpo desnudado.

Cada dia volto para ver aquele mar,
Vejo enorme horizonte interminável.
As perguntas ficaram para depois,
Agora quero apenas nadar imenso!

Em cada mergulho uma música,
Sinfonia única de cheiro e toque,
É assim o azul do mar! Navego...
Houve dias que nadei para longe,

Perdi o Norte... andei à deriva...
Sem desistir... continuo a nadar!
Percebo melhor este mar azul...
Livre e preso, plano e ondulado!

Não importa a maré em cada dia,
Aguardo por novo mergulho nua!
Transparente, húmida e límpida,
Nada temo ao nadar neste mar!

Nele sinto-me eternamente livre
Porque assim me toca desnuda
Sem preconceito por ali estar...
Único desejo pedido aos anjos.

Que neste mar não seque Vida!
Nele emerge sonho prometido.
Desejos que molham cada poro,
Em todo meu corpo desnudado...

Há dias que mergulho pela noite,
A silhueta não disfarça ser mulher
Curvas de harmonia que ondulam,
Em água calma, serena, meu Mar!

É de dia que vejo a tua cor azul,
É de noite que mergulho dentro.
É de alma vencida que te quero,
É em silêncio que me molhas...

Afagas-me todo o corpo em ti...
Existe dias que ondulas tanto...
Olho-te de longe e espero por ti!
Quero-te mar azul, não outro mar!

Assim molho cada beijo e sopro-o,
A brisa leva profundo e toca-te...
Bebo a gosto cada gota de prazer.
Rendi-me a ti... eterno Mar Azul...

3 de Junho de 2009

Sem comentários:

Enviar um comentário