27 de outubro de 2009

Ainda sonho

Não tenho sombra, a noite escurece-me.
E a sombra não me faz Ser quem Sou!
Na sombra deambulam os diálogos...
Entre eles falam, sem que os compreenda!

Tenho sonhos, o dia nasce com eles.
Estou pronta para acordar sem receio,
Os medos ficaram entre as sombras...
Contínuam a falar sem que os compreenda!

Não sei a linguagem da sombra e do medo,
Que falam eles, de mim!? Não certamente.
Não tenho sombra, a noite escurece-me.
Protege-me para que consiga descansar.

Ainda os oiço! Na minha linguagem digo:
- Silêncio por favor! Quero descansar...
Logo chegará o novo dia e quero acordar!
Acordo com os sonhos que vou realizar.
Reparei agora, juntou-se mais uma...

A insegurança! E juntou-se no diálogo.
Que diria Eu na minha pobre linguagem!?
Olha! Temos poluição sonora de noite!?
Certamente não me compreenderam.
Olho todos pela sombra que trazem...

Na linguagem gestual indico o dedo!
Por fim o ruído foi embora e adormeci.
Hoje acordei e recordei-me do que vi.
No nascer do dia, nascem os sonhos,
Ergo para além do que sonho e sinto!

Sei que o diálogo continuou pela noite.
Noite após noite, ali permaneciam...
Mesmo ali, não mais incomodaram...
Dialogaram mas fizeram-no silêncio,
Alguém ouve que os escutasse!?

Noite após noite adormeço.
Eu!? Nunca mais os ouvi!...
E cada dia acordo e recomeço
A viver o Sonho que me prometi.

30 de Janeiro de 2009

2 comentários:

  1. Belíssimo poema-Grande Pessoa(Mulher)

    ResponderEliminar
  2. Depois do conhecimento, há a descoberta de um encanto profundo, de uma alma grande e de uma ternura imensa de uma grande mulher chamada Sonya Monteiro.
    Adoro-te Sonya

    ResponderEliminar